Celso Cardoso da Silva Simões

Celso Cardoso da Silva Simões (1946- ), nasceu em Portugal, no dia 17 de fevereiro de 1946. Graduado em Estatística pela Escola Nacional de Ciências Estatísticas - ENCE. Pós-graduado em Planejamento Urbano e Regional (Mestrado) e em Demografia (Doutorado). Ingressou no IBGE em 1966 como estagiário do Centro Brasileiro de Estudos Demográficos – CBED, centro recém-criado pelo professor João Lyra Madeira. Participou da formação da Associação Brasileira de Estudos Populacionais – ABEP. Aposentou-se em 2016.

 

Se não conseguir visualizar o clipe da entrevista na janela abaixo, clique aqui.
 

Ficha técnica

Nome: Celso Cardoso da Silva Simões

Área de Atividade: Demografia

Depoimento realizado no contexto do Projeto de História Oral. Integra o Sistema de Preservação e Disseminação da Memória Institucional e tem por objetivo reconstituir o processo de formação e evolução do IBGE.

Data: 13/04/2017

Local da gravação: IBGE/CDDI - Rio de Janeiro ( RJ)

Duração: 102 minutos

Dados biográficos

Nome completo: Celso Cardoso da Silva Simões

Nascimento: Quintela (Portugal) - 17/02/1946

Data de entrada no IBGE: 1966

Data de saída ou aposentadoria: 2016 (aposentadoria)

Formação ou cargo: Estatística, Mestrado em Planejamento Urbano e Regional, Doutorado em Demografia

Principais atividades: Demografia

 

Assuntos

  • demografia;
  • Isaac Kerstenetzky;
  • Centro Brasileiro de Estudos Demográficos - CBED

 

Sumário

  • A infância na aldeia Quintela, em Portugal, durante o salazarismo;
  • a vinda para o Brasil em 1958;
  • o curso técnico de estatística, a graduação na ENCE e o estágio no IBGE, no Centro Brasileiro de Estudos Demográficos – CBED, com João Lyra Madeira;
  • a contradição entre liberdade de trabalho na área de demografia e a ditadura civil-militar;
  • a criação da Associação Brasileira de Estudos Populacionais – ABEP;
  • as viagens a trabalho para as áreas mais precárias; a integração entre as áreas do IBGE;
  • o IBGE como uma instituição multidisciplinar;
  • a interação com setores de diferentes pesquisas;
  • as viagens para a pesquisa sobre cemitérios clandestinos;
  • a ruptura na interação entre os grupos de trabalho;
  • as viagens, o conhecimento do país e de suas condições precárias