Núcleo virtual da Rede de Memória do IBGE. Divulga publicações, vídeos, instrumentos de pesquisa, sínteses históricas, depoimentos e demais produtos de memória empresarial construídos pelos servidores do IBGE

Severino Bezerra Cabral Filho (1944-    ), nasceu em 28 de abril de 1944, na Cidade de Vitória, Espírito Santo. Graduou-se em História pela Universidade Federal Fluminense em 1977 e obteve doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo em 1998. Entrou no IBGE em 1982 como assessor do Diretor Técnico, desde 2001 encontra-se cedido à Escola Superior de Guerra, onde foi diplomado no ano de 2000 em Altos Estudos de Política e Estratégia. Fez parte, em 1985, da Comissão destinada a organizar a reconstituição da evolução histórica do IBGE, denominada Projeto Memória. Na década de 1990, assessorou o Coordenador-Geral do Centro de Documentação e Disseminação de Informações (CDDI) na Comissão de Estatística do MERCOSUL. Membro Fundador e Diretor-Presidente do Instituto Brasileiro da China e Ásia-Pacifico (IBECAP), atua e pesquisa na área de Estudos Internacionais. Fez parte da Primeira Missão Acadêmica à Ásia organizada pelo Ministério das Relações Exteriores em 1994. Proferiu diversas palestras e participou de missões acadêmicas na China.

 

Veja o clipe com trechos selecionados da entrevista:

 

Se não conseguir visualizar o clipe da entrevista na janela abaixo, clique aqui.

Ver ficha técnica

Área de Atividade: Assessoria, documentação; disseminação de informações; memória institucional

Depoimento realizado no contexto do Projeto de História Oral. Integra o Sistema de Preservação e Disseminação da Memória Institucional e tem por objetivo reconstituir o processo de formação e evolução do IBGE.

Data: 22/10/2012

Local da gravação:IBGE/CDDI - Rio de Janeiro (RJ)

Duração: 170 min

Dados biográficos do depoente

Nome completo: Severino Bezerra Cabral Filho

Nascimento: Vitória (ES) - 28/04/1944

Data de entrada no IBGE: 25/10/1982

Data de saída ou aposentadoria: em atividade, cedido à Escola Superior de Guerra

Formação ou cargo: História - Universidade Federal Fluminense (UFF); Doutor em Sociologia – Universidade do Estado de São Paulo (USP)

Principais atividades: Consultor da Presidência do IBGE; Assessor da Diretoria Técnica; Diretor-Presidente do Instituto Brasileiro de Estudos da China e Ásia-Pacífico (IBECAP); professor da Escola Superior de Guerra (ESG) e da Universidade Federal Fluminense (UFF)

Equipe

Levantamento de dados: Luigi Bonafé; Vera Abrantes

Elaboração do roteiro: Luigi Bonafé; Vera Abrantes

Entrevistadores: Leandro Malavota; Luigi Bonafé; Vera Abrantes

Gravação: José Luiz Félix da Costa; Luigi Bonafé

Sumário: Vera Abrantes

Copidesque do sumário: Vera Abrantes

Indexação: Vera Abrantes

Assuntos:

  • nova capital federal
  • partidos políticos
  • Estado Novo (1937-1945)
  • criação do IBGE
  • políticas de desenvolvimento
  • planejamento nacional
  • Jurandyr Pires Ferreira
  • computador UNIVAC 1105
  • Revolução civil-militar de 1964
  • Isaac Kerstenetzky
  • Jessé Montello de Souza
  • Plano Cruzado
  • Plano Real
  • inflação
  • planejamento estratégico
  • Projeto Memória Institucional
  • Exposição Comemorativa do Cinquentenário do IBGE
  • memória institucional
  • Mário Augusto Teixeira de Freitas
  • Conselho Nacional de Geografia (CNG)
  • Censo do MERCOSUL

Sumário do depoimento:

  • Fatos nacionais e internacionais marcantes na sua infância e juventude
  • urbanização e industrialização do Brasil
  • a mudança da capital
  • as crises políticas
  • mudança do regime político
  • o Estado Novo, a criação do IBGE e do Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP)
  • repercussão da morte de Getúlio Vargas em Vitória, sua cidade natal
  • Juscelino Kubitschek e a passagem da capital para Brasília
  • as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo da sua infância
  • o ensino na rede pública
  • o Partido Comunista Brasileiro (PCB), partido ilegal, mas com forte influência na vida cultural e política do país
  • a União Democrática Nacional (UDN), partido líder da oposição
  • o Instituto Superior de Estudos Brasileiros (ISEB), a Escola Superior de Guerra e os estudos sobre o desenvolvimento nacional brasileiro
  • a escola sociológica paulista: Florestan Fernandes, Caio Prado Júnior e seus discípulos Fernando Henrique Cardoso, Francisco Weffort e, grupos espalhados pelo Brasil, todos envolvidos na questão do desenvolvimento do país
  • a participação na campanha de 1960, aos 16 anos, trabalhando para a eleição do Marechal Teixeira Lott contra o candidato Jânio Quadros
  • a Comissão Geral de Inquérito criada por Jânio Quadros, o presidente do IBGE, Jurandyr Pires Ferreira, e a compra do computador UNIVAC
  • a Revolução Cubana, de Fidel Castro, em janeiro de 1959 e seus ecos no Brasil
  • as críticas de Jânio Quadros aos governos Juscelino Kubitschek e João Goulart, sua viagem à Índia, Egito e Cuba e a chamada “política externa independente”
  • a mudança nos rumos da diplomacia brasileira
  • a crise ocasionada pela renúncia de Jânio Quadros
  • o plebiscito presidencialismo x parlamentarismo
  • os estudos de filosofia
  • a ligação com a juventude literária da época e a participação na Academia Capixaba dos Novos
  • a opção pelo curso de História
  • a revolução civil-militar de 1964
  • os artigos no jornal “A Gazeta”, de Vitória
  • a migração para a cidade do Rio de Janeiro
  • o trabalho na Livraria Leonardo Da Vinci e o convívio com Carlos Drumond de Andrade, Carlos Lacerda, Roberto Campos, Eduardo Portela e o pessoal do cinema novo
  • a transferência para o curso de História da Gama Filho e, posteriormente, para a Universidade Federal Fluminense
  • convite para trabalhar no Centro de Estudos Afro-Asiáticos da Cândido Mendes
  • a revista Argumento do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP)
  • Ernesto Geisel e a distensão gradual do regime autoritário: o fim da censura, a eleição para renovação do senado e da câmara e a mudança do quadro político
  • o trabalho na Fundação Getúlio Vargas
  • Isaac Kerstenetzky e a reestruturação do IBGE na década de 1970
  • o ingresso no IBGE, em 1982, como assessor da Diretoria Técnica
  • a crise de 1982 entre o Diretor Técnico do IBGE e o ministro Delfim Neto sobre os índices de preços
  • o trauma institucional com a saída de Isaac Kerstenetzky
  • a forte resistência à figura do presidente Jessé Montello
  • a anistia e o novo jogo político
  • a eleição de 1982 e os estados de Minas Gerais (Tancredo Neves), São Paulo (Franco Montoro) e Rio de Janeiro (Leonel Brizola) na mão da oposição
  • o grande feito do governo Geisel: o Pró-Álcool e a conta petróleo, a ampliação do parque siderúrgico nacional, a criação das condições de uma indústria de base interna para diminuir a dependência externa
  • eleição de Fernando Collor, a falta de apoio político e o impechmant
  • o governo de conciliação nacional de Itamar Franco
  • Plano Cruzado e Plano Real
  • inflação e crescimento do país
  • transposição das águas do São Francisco e a irrigação da Região Nordeste
  • usina de Belo Monte e a geração de energia para a Amazônia
  • Getúlio Vargas e os projetos de integração do Brasil
  • planejamento estratégico para o país
  • criação de um projeto de memória institucional no momento da mudança do ciclo do governo militar para a democracia, e a abertura do campo de trabalho para historiadores no IBGE
  • a comissão “Projeto Memória do IBGE”
  • a exposição comemorativa do cinquentenário
  • a coleção “Obras Raras” da Gerência de Biblioteca e Acervos Especiais
  • a história da estatística no Brasil, mais tarde desenvolvida por Nelson Senra, como um dos projetos pensados pela comissão de memória institucional em acordo com o modelo de história da estatística na França, que produziu uma história da instituição e da disciplina
  • a formação do acervo da memória institucional
  • a necessidade de se fazer a história da geografia no Brasil e do Conselho Nacional de Geografia (CNG)
  • Teixeira de Freitas, o mapeamento do estado de Minas Gerais para o Censo 1920, a conferência sobre educação e a ideia de que um órgão de estatística necessita de um órgão de geografia
  • o Conselho Nacional de Geografia
  • a criação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA)
  • a crise da estatística de 1952
  • o IBGE como núcleo centralizador do processo de criação da comissão de estatística do MERCOSUL
  • o curso na Escola Superior de Guerra e o convite para fazer parte do quadro permanente de professores
  • as medalhas recebidas como professor e conferencista
  • as relações Brasil-China, a criação e o trabalho como diretor-presidente do Instituto Brasileiro de Estudos da China e Ásia-Pacífico (IBECAP).

© 2018 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística