Núcleo virtual da Rede de Memória do IBGE. Divulga publicações, vídeos, instrumentos de pesquisa, sínteses históricas, depoimentos e demais produtos de memória empresarial construídos pelos servidores do IBGE

CABRAL FILHO, Severino Bezerra. O legado de Teixeira de Freitas. In: ENCONTRO Comemorativo do Centenário de Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 80p. (Documentos para disseminação. Memória Institucional, 2). p. 75-76.

Palestra proferida em 11.10.90, por ocasião da comemoração do centenário de Teixeira de Freitas. Avalia a produção intelectual, reconstituindo em síntese crítica o ideário do criador do IBGE, suas questões e formulação que cobrem a totalidade dos grandes problemas de organização racional do Estado. Aponta os três eixos centrais das reformas políticas, sociais, culturais e administrativas que expressam o legado de Teixeira de Freitas.

CASTRO, Cristóvão Leite de. Teixeira de Freitas e a sua influência na implementação do Conselho Nacional de Geografia. In: ENCONTRO Comemorativo do Centenário de Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 80p. (Documentos para disseminação. Memória Institucional, 2). p. 33-43.

Palestra proferida em 10.10.90, por ocasião da comemoração do centenário de Teixeira de Freitas. Relata a adesão do Brasil à União Geográfica Internacional. Assinala as realizações do Conselho Nacional de Geografia e a influência de Teixeira de Freitas na implantação do sistema nacional de coordenação geográfica. Faz referência à Campanha dos Mapas Municipais, sua respectiva legislação e a avaliação da qualidade técnica do material produzido. Expressa a importância da Cartografia, registrando a evolução das disposições legais decorrentes e a orientação técnica adotada. Demonstra a contribuição do Conselho no aperfeiçoamento da formação do geógrafo e a contribuição no desenvolvimento da pesquisa geocientífica.

CUNHA, Manoel Antonio Soares da. Teixeira de Freitas: educação e municipalização. In: ENCONTRO Comemorativo do Centenário de Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 80p. (Documentos para disseminação. Memória Institucional, 2). p. 53-60.

Palestra proferida em 11.10.90, por ocasião da comemoração do centenário de Teixeira de Freitas. Introduz o tema Municipalização, fazendo retrospecto histórico a partir das Comunas da Roma Antiga, situando a especificidade ocorrida em Portugal, discorrendo sobre as vilas no Brasil Colonial e sua ulterior transformação em províncias; analisa a tese municipalista à luz das Constituições Brasileiras outogardas no Império e República e o contexto político em que surgiram. Extrai da obra de Teixeira de Freitas as ideias vinculadas ao municipalismo, em que o homenageado consagra-se como seu ardoroso defensor; recorre, ainda, aos textos do ilustre brasileiro para expor os princípios essenciais contidos nas suas ideias sobre educação, todos eles voltados para melhorar o sistema de ensino brasileiro.

ENCONTRO Comemorativo do Centenário de Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 80p. (Documentos para disseminação. Memória Institucional, 2).

Texto das palestras proferidas no encontro comemorativo de nascimento de Teixeira de Freitas. Arrola breve nota biográfica do homenageado, discurso de abertura do Presidente do IBGE, Eduardo Augusto Guimarães, o conteúdo dos expositores participantes do evento e o discurso de encerramento do Superintendente do Centro de Documentação e Disseminação de Informações, Nelson de Castro Senra. São apresentadas diferentes reflexões em torno das ações que culminaram com a organização e consolidação do IBGE e do seu idealizador. Demonstra a obstinação e o rigor técnico com que Teixeira de Freitas construiu um legado de trabalho fecundo e criador, ao mesmo tempo em que contribuiu para o estudo da realidade nacional.

O FALECIMENTO do Dr. M. A. Teixeira de Freitas. Revista Brasileira dos Municípios, Rio de Janeiro, v. 9, n. 33, p.87-100, jan./mar. 1956.

A seção Notícias e Comentários comunica o falecimento e publica o necrológio. Assinala a visita do Presidente Juscelino Kubitshek, apresentando à família as suas condolências. Registra a saudação do Vice-Presidente do IBGE Sr. Moacir Malheiros Fernandes Silva e as manifestações de pesar de numerosas delegações que participaram das últimas homenagens ao eminente servidor público. Inclui mensagens, discursos proferidos pelo Deputado Federal Wagner Estelita Campos e Senador Coimbra Bueno, ambos representantes do Estado de Goiás, homenagem do Diretório do Conselho Nacional de Geografia e registros da imprensa e do rádio. Publicado, também, na Revista Brasileira de Estatística, v.17, n.65, p.57-71, jan./mar. 1956.

UM GRANDE brasileiro, idealismo e ação, devotamento e espírito público, pertinácia e trabalho: M. A. Teixeira de Freitas. Recife: Livros de Amigos, 1999. 88 p.

Coletânea de ensaios escritos por figuras da mais ilustre intelectualidade brasileira, republicados em honra da memória de Teixeira de Freitas e em louvor à sua obra: discurso pronunciado pelo engenheiro Moacir Malheiros Fernandes Silva; artigo de jornal do escritor Raul Lima; pronunciamento do sociológo Fernando de Azevedo e do educador Lourenço Filho e discurso do acadêmico Waldemar Lopes. Inclui breve nota biográfica, relação de campanhas e iniciativas realizadas pelo fundador do IBGE e, em anexo, documentação referente ao topônimo Teixeira de Freitas dado ao Povoado de São José de Itanhém (BA), em homenagem ao ilustre homem público. Os ensaios de Moacir Malheiros Fernandes Silva e Waldemar Lopes apresentam-se em publicações editadas em 1956 e 1957, respectivamente.

LIGEIRO perfil de Teixeira de Freitas: a estatística e o esperanto. Belo Horizonte: Departamento Estadual de Estatística, 1956. 20p.

Publicação distribuída aos participantes da II Convenção Mineira de Esperanto, reunida em Barbacena (MG), de 6 a 8 de julho de 1956, onde se encontra transcrito os discursos proferidos na sessão especial realizada pela Junta Regional do Conselho Nacional de Estatística, em 11.04.1956, por ocasião das homenagens em que se reverenciou a memória de Teixeira de Freitas. São destacados aspectos importantes deste eminente estatístico e homem público: Wilson Getúlio aborda o seu idealismo e a sua imensa fé na Estatística e nos destinos do país, sua capacidade de congregar homens e idéias e sua vocação em transformar sonho em realidade, em que o IBGE é um grande exemplo; Francisco de Assis Lima Gil focaliza a sua atuação em Minas Gerais entre 1920 e 1930, quando Delegado Geral do Recenseamento naquele Estado; e Sinval Pereira da Silva analisa a contribuição da Estatística para a divulgação do Esperanto, traçando um retrospecto histórico e legal dessa aproximação.

LOPES, Waldemar. Em louvor de um homem raro: M. A. Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: IBGE, 1957. 13p.

Discurso pronunciado na sessão em memória à Teixeira de Freitas realizada no Ministério da Educação e Cultura em 22.02.1957, por ocasião do 1º aniversário de seu falecimento, presentes autoridades do governo e de várias instituições, falando em nome da Sociedade Brasileira de Estatística. Salienta a formação humanista de Teixeira de Freitas e a sua fidelidade aos princípios éticos que o nortearam na defesa de suas ideias; reconhece nele a figura admirável do servidor público e seu empenho em prol da racionalização administrativa, e indica as principais orientações de suas atividades intelectuais, tais como Educação, Municipalização, Esperanto, além da Geografia e Estatística. Republicado na Coletânea "Um grande brasileiro, idealismo e ação, devotamento e espírito público, pertinácia e trabalho: M. A. Teixeira de Freitas, 1999".

LOURENÇO FILHO, Ruy. Teixeira de Freitas e a Associação Brasileira de Educação. In: ENCONTRO Comemorativo do Centenário de Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 80p. (Documentos para disseminação. Memória Institucional, 2). p. 21-29.

Palestra proferida em 10.10.90, por ocasião da comemoração do centenário de Teixeira de Freitas. Situa sua vinculação com a Associação Brasileira de Educação (ABE) e faz uma síntese das principais atribuições e atividades culturais desse órgão renovador da educação nacional. Traça perfil do homenageado, ressaltando seu espírito público no desempenho de cargos em que se dedica ao estudo e à busca de soluções para os grandes problemas nacionais. Embora de forma condensada, aprofunda a pesquisa ao indicar as fontes que remetem informações acerca de Teixeira de Freitas, sua atuação em projetos, trabalhos publicados e participação na presidência da ABE.

M. A. TEIXEIRA de Freitas. Revista Brasileira de Estatística, Rio de Janeiro, v.17, n. 65, p. 49, jan./mar. 1956.

A seção Vultos da Estatística Brasileira divulga a biografia de Teixeira de Freitas, contendo breve resumo de sua atuação no plano da estatística nacional e internacional: registra a aplicação em Minas Gerais do sistema de cooperação interadministrativo; assinala sua colaboração na organização do Ministério da Educação e Saúde Pública e na criação do IBGE, onde concebeu, planejou e consolidou a estatística brasileira; inclui grandes temas a que se dedicou, a legislação decorrente, os trabalhos publicados e as instituições técnicas e culturais brasileiras e estrangeiras a que pertenceu.

NEVES, Jorge das. Teixeira de Freitas e o esperanto. In: ENCONTRO Comemorativo do Centenário de Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 80p. (Documentos para disseminação. Memória Institucional, 2). p. 63-67.

Palestra proferida em 11.10.90, por ocasião do centenário de Teixeira de Freitas. Enfatiza a universalidade do esperanto; registra o começo do movimento da Liga no Brasil. Traça breve resumo da personalidade de Teixeira de Freitas e assinala seus esforços em fazer da língua internacional veículo de divulgação no mundo das estatísticas nacionais.

NUNES, Mário Ritter. O bem, a verdade e a beleza: realidades na vida de Mário Augusto Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: Conselho Regional de Estatística, 1972. 37p.

Conferência pronunciada na solenidade de instalação da nova sede do Conselho Regional de Estatística da 2a. Região. Evoca aspectos significativos da biografia de Teixeira de Freitas. Destaca características de sua múltipla personalidade, distinguindo-a com apreciações que o definem pelo seu idealismo nas ações, pertinácia nas atitudes e clareza de pensamento. O organizador e administrador, o líder e o sociólogo, o pacifista e o internacionalista são facetas analisadas e mostradas, a lembrar aquele que personaliza o cumprimento de deveres morais, funcionais e cívicos.

NUNES, Mário Ritter. Mário Augusto Teixeira de Freitas: símbolo do esperantista ideal. In: ___. REMINISCÊNCIAS de um esperantista. [s.l.: s.n.], 1977. p. 43-47.

Trabalho apresentado no XVI Congresso Brasileiro de Esperanto, realizado em Salvador (BA), de 18 a 25 de outubro de 1959. Recorda os méritos do ardoroso esperantista entre tantas outras múltiplas facetas da personalidade de Teixeira de Freitas que são analisadas: o sociólogo, geógrafo, economista, homem de letras, administrador, estatístico e ativo municipalista. Às várias manifestações de seu espírito idealista e de sua ação, acrescentem-se a de propagador do desenvolvimento e consolidador da causa esperantista no Brasil.

NUNES, Mário Ritter. O pensamento e a ação de Mário Augusto Teixeira de Freitas como apóstolo do Esperanto. In: ___. REMINISCÊNCIAS de um esperantista. [s.l.: s.n.], 1977. p. 34-37.

Trabalho apresentado ao XV Congresso Brasileiro de Esperanto, 1957, em homenagem a memória daquele que fez-se ardoroso defensor e divulgador do Esperanto. Assinala iniciativas de relevo em prol da adoção do Esperanto como língua auxiliar; enumera trabalhos, publicações e traduções, apreciáveis pela solidez da matéria; faz interligação entre o Esperanto e o IBGE, destacando o legado do pensamento e obra de Teixeira de Freitas.

SILVA, Benedicto. O teor humano de Mário Augusto Teixeira de Freitas. In: ENCONTRO Comemorativo do Centenário de Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: IBGE, 1991. 80p. (Documentos para disseminação. Memória Institucional, 2). p. 15-20.

Palestra proferida em 09.10.90, por ocasião da comemoração do centenário de Teixeira de Freitas. Discorre sobre o homem público que exerceu altos cargos na administração Estadual e Federal. Destaca suas qualidades morais e humanas. Identifica fatos da vida pessoal e profissional de Teixeira de Freitas que reforçam o perfil traçado.

SILVA, Moacir Malheiros Fernandes. O último adeus a Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: IBGE, 1956. 5p.

Oração em nome do IBGE à hora da saída do corpo do saudoso e eminente estatístico para o Cemitério de São João Batista (RJ), em 1956, proferido pelo representante do Ministério da Viação no Conselho Nacional de Estatística falando, também, em nome deste órgão, da Junta Executiva Central de Estatística e do Diretório Central de Geografia. Enaltece as características marcantes da personalidade de Teixeira de Freitas; situa sua grandiosa obra na memória dos presentes, associando-a à tarefa de dar ao Brasil as estatísticas necessárias para fazê-lo maior e melhor, tanto no seu progresso material quanto na sua cultura moral.

TEIXEIRA de Freitas: pensamento e ação. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. 140p. (Documentos para disseminação. Memória Institucional, 1).

Coletânea de textos de Mário Augusto Teixeira de Freitas, selecionados e republicados em edição comemorativa do centenário do seu nascimento. Contém pequena amostra de suas ideias, onde é possível acompanhar a trajetória de sua concepção dos problemas da realidade brasileira: as Teses Estatísticas, que forneceram subsídios para a organização do IBGE; o discurso proferido em 1936, no Palácio do Catete, em nome dos estatísticos brasileiros; reflexões acerca do Esperanto e à contribuição dessa língua universal para a integração e unidade do gênero humano. Insere-se, ainda, uma visão histórica do IBGE no contexto da evolução da estatística no Brasil. Inclui breve biografia de Teixeira de Freitas.

VILLA, Francisco Machado. A Lei Pró-Município de M. A. Teixeira de Freitas. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Municípios, 1957. 21 p.

Analisa o trabalho Lei Pró-Município elaborado por Teixeira de Freitas, projeto que teve como referência o plano de ação intergovernamental denominado Operação-Município, cujo tema foi aprovado no III Congresso Nacional de Municípios realizado em 1954, na cidade de São Lourenço (MG). Comenta as características essenciais da Operação-Município na forma sugerida por Teixeira de Freitas, onde são estabelecidas normas para realização de obras, empreendimentos e serviços em regime de cooperação entre União, Estados e Municípios, bem como recursos para a concretização das propostas; salienta a importância da Cooperação Intermunicipal, que favorece a solução conjunta de problemas de interesse de municípios; preconiza o circunscricionamento municipal, que facilita a ocupação e desenvolvimento econômico e social das áreas desabitadas; prevê a realização dos levantamentos geográficos cadastrais e estatísticos censitários municipais e recomenda a cisão do IBGE, reestruturando-o para atender às novas exigências.

© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística