Núcleo virtual da Rede de Memória do IBGE. Divulga publicações, vídeos, instrumentos de pesquisa, sínteses históricas, depoimentos e demais produtos de memória empresarial construídos pelos servidores do IBGE

 

Christovam Leite de Castro nasceu em 15 de abril de 1904, na cidade de Belo Horizonte. Receberia, desde cedo, influências familiares tanto tradicionalistas quanto progressistas: seu pai, Joaquim Domingos Leite de Castro, engenheiro, Senador, Deputado Federal pelo Estado de Minas Gerais, descendia de ilustres militares que desempenharam papel relevante na Guerra do Paraguai, Proclamação da República e Revolução de 30; sua mãe, Clotilde da Rocha Leite de Castro, pertencia à tradicional família mineira, construtores de obras importantes na cidade de S. João del Rey e detentores da concessão da Estrada de Ferro Oeste de Minas.

A educacão adquirida no colégio dos jesuítas, inicialmente, na cidade do Rio de Janeiro e, posteriormente, em Nova Friburgo (RJ), completaria sua formação cultural e moral. Ingressa em 1923 na Escola Politécnica, hoje Escola de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, graduando-se engenheiro geógrafo em 1926 e civil, em 1928. Enquanto estudante, obtém todos os prêmios oferecidos no curso de engenharia civil: Prêmio Vestibular (1923) e Medalha Gomes Jardim (1925), pelo 1º lugar conquistado nos três primeiros anos; Medalha Morsing (1927), como 1º colocado em todo o curso, distinguido com medalha de ouro ao receber o prêmio Paulo de Frontin, então professor e diretor da Escola, que lhe convida para ser seu assistente na cadeira de máquinas, na própria Politécnica do Rio de Janeiro (1928-29).

Seu contato com a Geografia se dará através do Ministério da Agricultura (1933), desempenhando a função de chefe da Seção de Estatística Territorial, seção esta que seria o núcleo do Conselho Nacional de Geografia, do qual Leite de Castro foi Secretário-Geral desde sua criação, em 1937 até 1950.

Assume o cargo de diretor-técnico da Companhia Caminho Aéreo Pão de Açúcar (l930), a convite de Augusto Ferreira Ramos, permissionário daquela empresa, situação em que se manteria mediante o prolongamento sucessivo da concessão da exploração das linhas aéreas. Cabe a Christovam Leite de Castro implantar (1972) o novo Sistema Teleférico do Pão de Açúcar onde ideliza, projeta, realiza e supervisiona a construção das estações e a montagem dos equipamentos, entregando à cidade do Rio de Janeiro um sistema prático, seguro e com tecnologia avançada.

Participa de diversas comissões que conferem modernidade à atividade geográfica brasileira: Comissão de Geografia do Instituto Pan-Americano de Geografia e História (1946); Comissão de determinação do verdadeiro local do Descobrimento do Brasil (1947) e da Comissão de Localização da Nova Capital (1948), nas duas últimas, nomeado pelo Presidente da República; e Comissão Brasileira da União Geográfica Internacional.

Enquanto à frente do Conselho Nacional de Geografia, Leite de Castro participa da sua instalação, da implantação do sistema nacional de cooperação destinado a congregar os serviços geográficos do país nas esferas federal, estadual e municipal, inclusive privada, da criação dos órgãos deliberativos superiores e diretórios central e regionais, além de definir programas de ação e atividades correlatas para a execução dos objetivos propostos.

Ao seu tempo, a ciência geográfica experimenta acentuada evolução expandindo-se, muito pela introdução da moderna metodologia adotada que a torna atividade significativa para o planejamento dos programas políticos, sociais e econômicos. Certamente, um dos responsáveis pelo desenvolvimento de intensa atividade geográfica não só do ponto de vista quantitativo mas, também e sobretudo, qualitativo, Leite de Castro engenheiro, geógrafo e professor, ao falecer em 7 de maio de 2002 deixa-nos obra relevante e do seu pensamento emerge a síntese de suas ações, extraída de suas palavras:

"Na minha vida profissional realmente há duas realizações muito importantes. Ao influxo da Divina Providência consegui plantar duas admiráveis árvores: uma cultural, que foi o Conselho Nacional de Geografia; outra árvore turística, que é o novo Bondinho do Pão de Açúcar."

 

Fotos

 

Aula inaugural do Curso de Cartografia organizado pelo Conselho Nacional de Geografia (CNG), no Edifício Moda. Esq./dir., de frente: Mário Augusto Teixeira de Freitas (2º), José Carlos de Macedo Soares (3º) e Christovam Leite de Castro (4º, em pé), Rio de Janeiro, 16/12/1941. Acervo Memória IBGE.
Aula inaugural do Curso de Cartografia organizado pelo Conselho Nacional de Geografia (CNG), no Edifício Moda. Esq./dir.: Mário Augusto Teixeira de Freitas (1º), José Carlos de Macedo Soares (2º) e Christovam Leite de Castro (3º, em pé), Rio de Janeiro, 16/12/1941. Acervo Memória IBGE.
Exposição Nacional dos Mapas Municipais. Esq./dir.: 1º plano, Christovam Leite de Castro (3º), Rio de Janeiro, 1940. Acervo Memória IBGE.
Exposição Nacional dos Mapas Municipais. Homenagem a Getúlio Vargas diante do mapa de São Borja (RS). Esq./dir.: Christovam Leite de Castro (1º), Getúlio Vargas (2º), José Carlos de Macedo Soares (3º), Curitiba, 29/05/1940. Acervo Memória IBGE.
Curso de férias, no Conselho Nacional de Geografia (CNG), promovido pela Associação Brasileira de Educação para as professoras primárias. Em cima, esq./dir.: Christovam Leite de Castro (4º, em pé), José Carlos de Macedo Soares (6º), Heitor Bracet (7º), Mário Augusto Teixeira de Freitas (9º), Rio de Janeiro, jan. 1941. Acervo Memória IBGE.

Painéis



© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística