Núcleo virtual da Rede de Memória do IBGE. Divulga publicações, vídeos, instrumentos de pesquisa, sínteses históricas, depoimentos e demais produtos de memória empresarial construídos pelos servidores do IBGE

Presidente do IBGE: 1951-1952

Filho de José Manoel da Silva Coelho e de Amália Polli Coelho, nasceu na cidade de Curitiba (PR), no dia 17 outubro de 1892. Estudou no Colégio Militar do Rio de Janeiro, onde ocupou o posto de comandante aluno, em 1909. Em 1º de março de 1911, ingressou na antiga Escola de Guerra do Realengo (RJ). Aspirante, em 1914, ascendeu na carreira militar até o posto de General de Divisão, em 1952.

Engenheiro geógrafo militar, dirigiu o Serviço Geográfico do Exército no período de 26 de março de 1946 a 18 de abril de 1951. Por sua iniciativa, foi criado o "Quadro de Topógrafos do Serviço Geográfico do Exército" (1946) e instalado o Curso de Topografia para Oficiais das Armas na Escola Técnica do Exército, hoje Instituto Militar de Engenharia - IME. Como diretor da Escola de Geógrafos do Exército, representou o Ministério da Guerra, na função de Membro do Diretório Central do Conselho Nacional de Geografia.

Polli Coelho teve efetiva participação na escolha de Brasília como nova capital do país. Em 1946, com a Revisão Constitucional, a mudança da capital do país para o Planalto Central foi incluída nas Disposições Transitórias da Constituição. Assim, em novembro do mesmo ano, o Presidente Eurico Gaspar Dutra nomeou a "Comissão de Estudos para a Localização da Nova Capital do Brasil" sob a presidência do General Djalma Polli Coelho, então chefe do Serviço Geográfico do Exército, com a finalidade de ratificar os levantamentos efetuados no final do século XIX, pela Missão Cruls. Dedicou-se ao serviço do Exército por mais de 43 anos, tendo sido responsável pela primeira edição do "Anuário da Diretoria do Serviço Geográfico do Exército", em 1948.

Presidente do IBGE no período de 02 de maio de 1951 a 09 de setembro de 1952 (embora tenha se afastado em 24/06/1952), seu período no Instituto foi curto e marcado por conturbado episódio que ficou conhecido como "crise da estatística" ou "crise Polli Coelho", e que teve como consequência sua exoneração em 9 de setembro de 1952.

Polli Coelho faleceu no Rio de Janeiro, no dia 18 de outubro de 1954.


© 2017 IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística